Make your own free website on Tripod.com

IMPRENSA


Esse portenho de pai brasileiro é um guitarrista de técnica excepcional, com influências de Steve Vai e muito shred. Este CD instrumental, gravado com a ajuda de Juan Pablo Colombo (baixo e teclado) e Pablo D'Andrea (programação de bateria), só seria melhor se fosse com "bateria humana" e se o som do baixo estivesse tão claro quanto o da guitarra. Todas as oito faixas, de autoria do Maycown, tem guitarra-base e solos em overdubs precisos e bem executados. Bons momentos são os breaks classiquentos e rápidos de "Ipsissimus" (totalmente inspirado em Malmsteen) e a guitarra limpa e com influência brasileira de "Perdón". (PM)

(Revista Cover Guitarra - Novembro 2001 - pág. 78)

Guitarrista argentino que se estabeleceu no país há mais de um ano, Maycown lança seu CD de estréia, Mylself. Ele possui carreira extensa, atuou bastante em shows e bares em seu país de origem.
Mylself segue a "Escola Shrapned" (gravadora de Myke Varney que descobriu Yngwie Malmsteen e Vinnie Moore) de guitarra. O álbum traz temas instrumentais voltados ao hard rock, cheios de energia e boa técnica. Um dos bons momentos do disco é a faixa Rain, uma progressão menor no estilo das baladas de Jason Becker em que Maycown mostra bom senso melódico, vibrato agressivo e bom timing de fraseado.

O guitarrista foi considerado destaque no Conservatório Souza Lima - ele foi aluno de Kiko Loureiro, Joe Moghrabi e Lupa Santiago. Maycown toca com a banda Blues in Up e está formando um grupo para mostrar seu trabalho solo.
(Revista Guitar Player - Julho 2002 - pág. 114)

Nesta edição temos mais um jovem virtuoso das seis cordas. Estamos falando de Maycown C. Reichembach, que vem despejando uma tonelada de arpejos, sweeps, escalas e ligados two hands, com vontade de mostrar serviço. O trabalho como um todo lembra os grandes guitar heroes da década de 1980, com um certo destaque para Steve Vai e Yngwie Malmsteen, entre outras tantas influências. Temos este ponto muito forte nas duas primeiras faixas. Na primeira rola um wah wah estilo Steve Vai com um tema bem quebrado (faixa disponivel no nosso site). A segunda faixa, Ipsissimus, começa com uma frase toda palhetada seguida de acentos do resto da banda no melhor estilo "malmstiniano". A demo é de rock instrumental e leva o nome de Myself. Tem uma apresentação ousada, com a figura de Maycown com luzes nas mãos em um deserto no estilo de Carlos Casteñeda. O som é bem tocado e com uma boa sonoridade para uma demo. Tenho uma grande admiração por pessoas que são capazes de produzir um trabalho e dar a cara à tapa, mostrando as suas idéias, o seu estilo e prontos para enfrentar os elogios e as críticas. Esta é uma das maiores virtudes desse jovem guitarrista, que tem um potencial formidável e terá um futuro brilhante se continuar desenvolvendo principalmente suas composições e seu senso melódico. Vamos disponibilizar em formato MP3 a faixa Guitar Killer, uma composição de muito peso, que abre o cd.

(Revista Guitar Class - Maio 2002 - pág. 67)